(Português) Inconstitucional o trabalho da mulher gestante e em período de amamentação em ambiente insalubre

6 . June . 2019 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Foi publicada nesta terça, 4, a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que julgou inconstitucional parte dos incisos II e III do art. 394-A da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que permitia, desde a chamada “Reforma Trabalhista” (11.11.2017), o trabalho de empregadas grávidas e em período de amamentação em ambientes insalubres desde que não existissem restrições comprovadas por atestado médico. Confira-se:

“O Tribunal, por unanimidade, conheceu da ação direta de inconstitucionalidade. Por maioria, confirmou a medida cautelar e julgou procedente o pedido formulado na ação direta para declarar a inconstitucionalidade da expressão “quando apresentar atestado de saúde, emitido por médico de confiança da mulher, que recomende o afastamento”, contida nos incisos II e III do art. 394-A da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), inseridos pelo art. 1º da Lei 13.467/2017, nos termos do voto do Relator, vencido o Ministro Marco Aurélio. Falaram: pelo amicus curiae Confederação Nacional de Saúde – CNS, o Dr. Marcos Vinicius Barros Ottoni; e, pelo amicus curiae Central Única dos Trabalhadores – CUT, o Dr. Ricardo Quintas Carneiro. Presidência do Ministro Dias Toffoli. Plenário 29.05.2019.”

Dessa maneira, os empregadores estão proibidos de solicitar e de permitir o trabalho dessas empregadas em ambientes com qualquer grau de insalubridade, independentemente de recomendação médica, conforme a redação remanescente do art. 394-A da CLT, que agora dispõe:

“Art. 394-A.  Sem prejuízo de sua remuneração, nesta incluído o valor do adicional de insalubridade, a empregada deverá ser afastada de:

I – atividades consideradas insalubres em grau máximo, enquanto durar a gestação;

II – atividades consideradas insalubres em grau médio ou mínimo, durante a gestação;

III – atividades consideradas insalubres em qualquer grau, durante a lactação.”

É recomendável, portanto, que as empresas revisem seus laudos técnicos ambientais e de saúde do trabalho, como é o caso do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), previstos nas Normas Regulamentadoras 7 e 9 da Portaria MTB 3214/1978, adotando as medidas e os planejamentos necessários para o cumprimento dessas disposições legais.

Para mais informações, entre em contato:

Fabio Medeiros

fabio.medeiros@ldr.com.br

André Blotta Laza

andre.laza@ldr.com.br


see all publications