(Português) Iniciado o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade do Código Florestal Estadual

4 . June . 2019 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em meio à polêmica e à insegurança jurídica que giram em torno da questão florestal, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo iniciou o julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade¹ da Lei Estadual nº 15.684/2015, que institui o Programa de Regularização Ambiental – PRA no âmbito do Estado de São Paulo.

Há cerca de 3 anos, a Lei do PRA/SP está suspensa, a pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo, impedindo a regularização de propriedades rurais já inscritas no Cadastro Ambiental Rural – CAR, sob o argumento de que a Lei seria inconstitucional.

A exemplo do posicionamento do Supremo Tribunal Federal, que declarou a constitucionalidade da maioria dos dispositivos impugnados do Código Florestal (Lei 12.651/2012), o voto do Desembargador Relator também reconheceu a constitucionalidade da Lei Estadual como um todo, elencando, porém, 2 hipóteses de inconstitucionalidade e 3 de interpretação conforme.

Embora o julgamento ainda não tenha sido concluído, por conta de um pedido de vistas, o voto do Relator, acompanhado pelo Presidente do Tribunal de Justiça, pode ser sumarizado na seguinte tabela:

No mais, o Relator reconhece que a Lei Estadual (i) não traduz retrocesso, por não ter resultado em diminuição da proteção ambiental; (ii) não foi editada em usurpação à competência da União, uma vez que a competência legislativa em matéria ambiental é comum e o próprio art. 59 do Código Florestal incumbiu os Estados de regulamentar o PRA. Reconhece, ainda, que (iii) não há vício de participação popular, uma vez que restou demonstrada certa participação popular no processo legislativo da norma.

Por fim, a decisão liminar que suspendeu a eficácia da Lei do PRA permanecerá vigente até o julgamento final da Ação, que está previsto para ser retomado no próximo dia 5.6.2019.

A equipe Ambiental LDR continuará acompanhando de perto as discussões judiciais sobre a aplicação do Código Florestal, seja no âmbito federal, seja no estadual. Em paralelo, nosso time está atento às propostas de mudança legislativa atualmente em curso, em especial, a votação da Medida Provisória 867/2018.

¹ ADI nº 2100850-72.2016.8.26.0000.

² Artigos correspondentes da Lei Federal: arts. 67 e 68 do Código Florestal.

³ Embora o acórdão do STF ainda não tenha sido publicado, a interpretação conforme que se deu ao art. 66 e ao art. 48, §2º foi a de que a compensação apenas pode ocorrer entre áreas com a “mesma identidade ecológica”.

 

Para mais informações, entre em contato:

Renata Castanho
renata.castanho@ldr.com.br

Carina Pereira Cancela
carina.cancela@ldr.com.br


see all publications