(Português) Alexandre Siciliano Borges participa de matéria do Valor Econômico

10 . October . 2016 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O sócio da área Tributária, Alexandre Siciliano Borges, foi destaque na matéria “Justiça Federal libera Azul de pagar IR em leasing simples”, publicada nesta segunda (10) no caderno Legislação & Tributos do jornal Valor Econômico.

Leia o conteúdo na íntegra:

Justiça Federal libera Azul de pagar IR em leasing simples

Por Laura Ignacio | De São Paulo

Uma liminar de primeira instância da Justiça Federal de São Paulo permitiu que a Azul Linhas Aéreas continue a pagar alíquota zero de Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) nas operações de arrendamento simples de aeronaves da Irlanda. A decisão vale este ano, até o julgamento do mérito. Da decisão cabe recurso.

Em setembro, por meio da Instrução Normativa nº 1.658, a Receita Federal incluiu a Irlanda na lista de paraísos fiscais. Na prática, portanto, a empresa passaria a pagar 25% de IRRF nessas operações.

No arrendamento simples, a aeronave é alugada por um período determinado, sem opção de compra. Dos 519 aviões em operação no Brasil, cerca de 300 estão contratados pelo regime de leasing simples.

Segundo a advogada que representa a companhia no processo, Daniella Zagari, do escritório Machado Meyer, foi pedido para que o imposto majorado não fosse cobrado pelo Fisco neste ano. Um aumento real de tributo só poderia ser aplicado no exercício seguinte, conforme a argumentação da empresa. Assim, só poderia valer a partir de 2017.

De acordo com a Constituição Federal é vedado à União cobrar tributos no mesmo exercício financeiro em que tenha sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou. Segundo o Código Tributário Nacional (CTN) entram em vigor no primeiro dia do exercício seguinte “dispositivos de lei, referentes a impostos sobre o patrimônio ou a renda que instituem ou majoram tais impostos”.

No pedido, a advogada apresentou algumas estimativas de impacto econômico da norma deste primeiro mês em vigor, caracterizando-o como relevante. “Como as demais companhias aéreas em geral, a Azul trabalha com uma margem de lucro reduzida. Assim, a medida ainda se refletiria imediatamente no preço da passagem”, afirma a advogada.

Apesar de caber recurso da Fazenda, a advogada acredita que a liminar será mantida. “Não sei quais seriam os fundamentos que a Receita Federal usaria porque a inclusão da Irlanda na lista de paraísos fiscais é um fato novo e essa lista é taxativa”, diz.

A advogada ainda afirma que a empresa avalia se vai questionar a incidência do IRRF para arrendamento simples a partir de 2017. Esta semana, por meio da Instrução Normativa nº 1.662, a Receita Federal liberou o arrendamento mercantil (quando há opção de compra) de aeronaves na Irlanda.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), que representa Latam, Gol, Azul e Avianca, na sexta-feira a entidade foi recebida pela Receita para esclarecer se a manutenção do imposto majorado para arrendamento simples foi um erro ou um mal entendido. A Receita se comprometeu a dar uma resposta à entidade nesta semana.

A liminar foi concedida pela 1ª Vara Federal em Barueri (SP). O magistrado da causa entendeu que “a inclusão de qualquer nação [em listas de paraísos fiscais] não pode significar, automaticamente, a majoração de alíquotas do Imposto de Renda sobre contratos em curso ou que venham a ser celebrados antes da anterioridade do exercício [no mesmo ano].” O juiz também considerou “a dificuldade de a empresa não transferir os custos de eventual majoração tributária no preço final dos serviços aéreos.”

Segundo o tributarista Alexandre Siciliano, do Lobo & de Rizzo Advogados, a decisão também é interessante porque o magistrado considerou que, por aumentar a carga tributária, a mudança não poderia ser feita por instrução normativa. “De acordo com o princípio da legalidade, só poderia ser feita por lei”, diz. Para ele, a liminar ainda poderá ser usada por outras companhias. “Poderá reforçar a argumentação para outras obterem o mesmo benefício.”


see all publications