(Português) Rodrigo Shiromoto fala sobre cláusulas de não-concorrência no Valor Econômico

15 . August . 2016 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Rodrigo Luís Shiromoto, advogado da área Trabalhista, falou sobre cláusulas de não-concorrência em matéria publicada hoje (15), no caderno Empresas do jornal Valor Econômico:

No Brasil, cláusula é mais usada para o alto escalão 

Por Letícia Arcoverde | De São Paulo

Apesar de não serem previstas pela legislação trabalhista, no Brasil as cláusulas de não-concorrência têm sido usadas com cada vez mais frequência em contratos de trabalho de executivos do alto escalão. Pela jurisprudência existente, sua validade só é reconhecida se for estipulado o pagamento de uma indenização ao profissional.

O objetivo é proteger informações confidenciais e estratégicas da companhia, aos quais esses profissionais têm acesso. Segundo Rodrigo Luís Shiromoto, da área trabalhista do Lobo & de Rizzo Advogados, o contrato precisa detalhar a limitação territorial e o período da restrição, que varia entre 12 e 36 meses. Também é necessário deixar claro o que exatamente configura os concorrentes – algumas empresas limitam a atuação no setor inteiro e outras listam companhias específicas.

Mais importante, no entanto, é determinar o valor da indenização a ser paga para o profissional no período. O valor é negociado com o executivo, e vai de 50% a até 100% da remuneração. “Nessa hora é preciso bom senso do empregador. Quanto maior for restrição, mais é preciso indenizar de forma compatível”, diz Shiromoto.

O sócio-diretor da empresa de recrutamento executivo Exec, André Freire, diz que há casos de companhias que incluem cláusulas de não-concorrência em contratos com executivos sem estipular uma indenização caso o profissional faça a movimentação. A exigência não tem validade na Justiça, mas acaba funcionando como um “acordo de cavalheiros” entre a empresa e o profissional. “É uma obrigação mais ética ou moral do executivo”, diz Freire.


see all publications