(Português) Sócia da área Societária comenta dissolução da Usiminas no DCI

1 . July . 2016 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A sócia-gestora da área Societária, Fusões e Aquisições, Luciana Pietro Lorenzo, participou de matéria publicada hoje (1) no DCI. Leia o conteúdo completo:

Dissolução na Usiminas pode abalar negócios com bancos e fornecedores
Segundo especialistas ouvidos pelo DCI, além de um acordo extrajudicial – que parece pouco provável – a saída mais rápida para resolver o imbróglio societário na siderúrgica é a arbitragem

São Paulo – Sem um horizonte de solução para o impasse societário no bloco de controle da Usiminas, a companhia pode ter de amargar uma disputa judicial. Além de demorado, especialistas avaliam que um litígio costuma ser traumático e impacta negociações com bancos e até fornecedores.

A Nippon Steel possui 29,45% do capital votante da Usiminas e a argentina Ternium, 27,66%. Porém, ambos já não conseguem disfarçar as diferenças e a separação parece inevitável.

“Nem sempre a dissolução de uma sociedade é saudável para a companhia. Se há dívidas, a cisão pode provocar a antecipação dos vencimentos com os bancos”, avalia o sócio da área societária do Siqueira Castro Advogados, Sérgio Ricardo Fogolin.

Na avaliação do sócio da mesma área do ASBZ, Felipe Gruber, uma cisão pode impactar fortemente o valor de mercado da companhia, atrapalhar a aquisição de financiamentos e até dificultar negociações com fornecedores.

“A solução do caso no âmbito da Justiça seria traumático e demorado. Aparentemente, a Usiminas não tem esse tempo”, pondera.

O terceiro maior acionista da companhia, a CSN, com cerca de 14% do capital votante, adiciona ainda mais tensão ao caso, já que o presidente Benjamin Steinbruch se mostra contrário à cisão.

A saída que traria menos danos à siderúrgica brasileira seria o acordo extrajudicial. No entanto, segundo apurou o DCI, essa é a última escolha da Nippon e da Ternium, já que os grupos não conseguem sentar à mesa de discussões por falta de confiança entre as partes. “O melhor caminho é acelerar a separação”, comenta uma fonte ligada à Usiminas.

Para a sócia da área societária, fusões e aquisições do Lobo & de Rizzo Advogados, Luciana Pietro Lorenzo, a companhia poderia recorrer à arbitragem, que costuma ser mais rápida. “Mas esta opção também depende de uma decisão dos acionistas, se não estiver previsto no estatuto da companhia.” A advogada observa ainda que todo processo de cisão é turbulento e depende do diálogo entre as partes para conseguir uma transição mais suave possível.

“Na arbitragem, o processo leva um ano na melhor das hipóteses. Mas dependendo da complexidade do caso, pode levar até três anos”, explica.

Fogolin, do Siqueira Castro, lembra que qualquer que seja o meio adotado para a cisão, é preciso atender à Lei das Sociedades Anônimas (SA), instruções da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e estatuto da companhia. “A preservação dos interesses da companhia é essencial”, opina.

Divisão

Fontes da Usiminas têm aventado a possibilidade de divisão da companhia, em que a Nippon ficaria com a usina de Ipatinga (MG) e, a Ternium, com a de Cubatão (SP).

Porém, uma pessoa próxima ao grupo japonês nega a hipótese, alegando que a Ternium não tem interesse de religar as áreas primárias de Cubatão nem laminar placas no local.

A sócia do Lobo & de Rizzo atenta para os riscos de uma divisão de ativos. “O processo de cisão, principalmente desse porte, é extremamente complexo. Quanto mais sinergias, mais difícil separar”, explica.

Gruber, do ASBZ, aponta para a questão da marca, já que a Usiminas é um nome forte no mercado de siderurgia. “A marca de uma empresa sempre se torna um tema espinhoso no caso de uma cisão. Trata-se de um cenário tão complexo, com muita aresta para aparar, e fica difícil prever um desfecho.”

Juliana Estigarríbia


see all publications