(Português) Sócio-gestor da área Tributária comenta as novas exigências da Receita em matéria do Valor Econômico

22 . February . 2017 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Alexandre Siciliano Borges, sócio-gestor da área Tributária, falou no Valor Econômico sobre as novas exigências da Receita para empresas brasileiras que quiserem abrir processo de consulta de tributação internacional. Leia o conteúdo publicado nesta quarta (22):

Receita exige mais dados para consultas

Por Laura Ignacio | De São Paulo

Empresas brasileiras que quiserem abrir processo de consulta sobre tributação internacional à Receita Federal passam a ter que fornecer mais dados sobre sua estrutura societária global. Por meio da Instrução Normativa (IN) nº 1.689, o órgão passou a exigir novos requisitos para emitir soluções de consulta.

A mudança faz parte da implantação do Plano de Ação sobre Erosão da Base Tributária e Transferência de Lucros (Beps) no Brasil, o que permitirá uma maior troca de informações entre os Fiscos do mundo todo.

Coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) o objetivo do Beps é implantar medidas globais de combate à evasão e elisão fiscal, pela transferência artificial de lucros para países com baixa tributação.

De acordo com a IN, será necessário obedecer os novos critérios se o tema da consulta abranger preços de transferência (regras aplicadas na importação entre partes vinculadas), o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores Padis (de incentivo à produção nacional de dispositivos eletrônicos como displays) e estabelecimento permanente (escritório informal de empresa que atua em outro país, sem estar constituída nele).

“Haverá a necessidade de a empresa identificar o controlador (direto e final) e o país de residência da matriz, do estabelecimento permanente e de todas as partes relacionadas com as quais o contribuinte efetue as transações objeto da consulta”, afirma Geraldo Valentim, do MVA Advogados.

Segundo nota divulgada pela Receita, uma das exigências do Beps é a troca de informações entre os Fiscos sobre as orientações que emitem para empresas que fazem transações internacionais sob padrões mínimos.

Para Valentim, o Beps é apenas a justificativa. “A medida permitirá maior cruzamento de informações também para fins fiscalizatórios no país”, diz. O advogado lembra que em razão do Decreto nº 8.842, de 2016, o Brasil trocará dados fiscais com mais de cem países e jurisdições. “Isso permitirá inclusive a cobrança de crédito tributário devido de um país para outro.”

Essa não é a primeira norma criada pela Receita para adaptação ao Beps. “A IN nº 1.681, de 2016, que criou a Declaração País-a-País (DPP) também já está em vigor. E muitas outras devem ser editadas”, afirma Alexandre Siciliano, do Lobo & de Rizzo Advogados. Ele alerta que a nova norma tem efeito retroativo.

O texto da IN 1.689 já havia sido divulgado para consulta pública. “Contudo, nesse caso, o texto final ficou igual ao publicado para debate. Nenhuma sugestão foi acatada”, afirma Siciliano, que participa de associações que propõem mudanças.


see all publications