(Português) Sócio-gestor do Tributário comenta decisão inusitada na Justiça do Distrito Federal

13 . March . 2017 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O sócio-gestor da área Tributária, Marcelo Bez Debatin da Silveira, comentou decisão do Tribunal de Justiça em matéria do jornal Valor Econômico. Leia o conteúdo na íntegra:

TJ-DF responsabiliza Fisco por erro de contribuinte

Por Arthur Rosa | De São Paulo

Os contribuintes conseguiram um precedente inusitado na Justiça do Distrito Federal. Por unanimidade, o Tribunal de Justiça (TJDF) entendeu que a Fazenda Pública também deve ser responsabilizada por erro no preenchimento de guia de recolhimento de ICMS, que levou uma empresa a ser indevidamente inscrita na dívida ativa. Os desembargadores da 5ª Turma Cível consideraram a “dificuldade” para cumprir a obrigação por meio do sistema informatizado do Distrito Federal.

Com a decisão, que manteve sentença da Vara de Execuções Fiscais, o Distrito Federal terá que arcar solidariamente com os honorários advocatícios de ação de execução fiscal contra a Nestlé Waters Brasil. Para cada parte ficou 50% sobre R$ 1.126,79, equivalente a 10% do valor atualizado do “proveito econômico obtido”.

O contribuinte conseguiu se livrar do pagamento dos encargos da inscrição na dívida ativa, no valor total de R$ 11.267,92 (10% do valor atualizado do débito). A companhia foi incluída indevidamente por ter preenchido errado a Guia Nacional de Recolhimento de Tributos Estaduais (GNRE), o que impediu a identificação do pagamento ICMS devido por substituição tributária, referente ao período de junho de 2013, no valor de R$ 106,29 mil.

Para os desembargadores, os encargos da inscrição da dívida ativa têm natureza acessória e devem seguir o imposto, que é a obrigação principal. “Não se pode imputar a ocorrência do equívoco exclusivamente à sociedade empresária, ora apelada, tendo também o apelante concorrido para a produção do erro no preenchimento da GNRE, o que enseja a sucumbência recíproca”, afirma na decisão o relator, Alvaro Ciarlini.

É a primeira sentença neste sentido mantida pelo TJDF, o que levará o Distrito Federal a recorrer ao Superior Tribunal de Justiça, segundo o procurador-chefe da Procuradoria Fiscal da Procuradoria-Geral

do DF, Guilherme Pereira Dolabella Bicalho. Por meio do recurso, quer evitar que o precedente seja utilizado em ações semelhantes.

“É um ponto fora da curva. Temos que fixar a tese do princípio da causalidade [aquele que deu causa à demanda deve responder pelas despesas] para evitar um dano muito grande ao erário público”, diz o procurador-chefe.

Para o advogado da Nestlé, Marcelo Bez Debatin da Silveira, do Lobo & de Rizzo Advogados, a decisão é inovadora por “responsabilizar o Estado por sua própria burocracia”. A companhia, segundo ele, obteve outra sentença nesta linha.

De acordo com Gilson Rasador, da Piazzeta e Rasador Advocacia Empresarial, o entendimento é correto. Normalmente, em caso de extinção do débito, não há cobrança de verbas acessórias [correção monetária, juros e encargos], como ocorreu no Distrito Federal. “Não é comum acontecer. O mais correto é extinguir o débito integralmente.”


see all publications