(Português) Compromissos climáticos da COP26 e o setor privado

26 . November . 2021 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Confira abaixo os principais resultados da COP26, Conferência do Clima, que aconteceu este ano em Glasgow, na Escócia, e reuniu não apenas chefes de Estado, mas o maior número de líderes do setor privado na história das discussões referentes ao clima:

• O Pacto Climático de Glasgow manteve a meta de não se ultrapassar 1.5ºC de aumento da temperatura média global e reconheceu a necessidade de se reduzir 45% das emissões até 2030, em relação ao ano de 2010, conforme orientado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC);

• Ainda, foram firmados os compromissos (i) de redução do uso desenfreado do carvão e o fim de subsídios a combustíveis fósseis ineficientes e (ii) de aumento significativo do pacto feito em 2009 pelos países desenvolvidos para a concessão de U$100 bilhões ao ano para auxílio de países em desenvolvimento na transição para a economia verde;

• O Acordo de Redução de Metano reuniu mais de 100 países, incluindo o Brasil, na meta de reduzir em 30% a emissão de metano, gás mais lesivo à camada de ozônio, até 2030, em relação ao ano de 2020;

• O Acordo de Florestas reuniu mais de 100 países na meta de zerar o desmatamento até 2030, inclusive com medidas de restrições a importações. O Brasil assumiu o mesmo compromisso até 2028;

• Já o Livro de Regras do Acordo de Paris trouxe, por exemplo, a definição de regras básicas para o mercado global de carbono, como o mecanismo de “ajustes correspondentes”, que prevê que os países terão que descontar créditos de carbono vendidos de sua meta de redução de emissões – passo importante para o avanço da estruturação de mercados e das transações de créditos de carbono.

Além do impulso que os referidos compromissos tendem a dar para o incremento da legislação ambiental dos países signatários, a presença expressiva de líderes do setor privado e de compromissos voluntários com meta carbono zero até 2050 refletirá em maior pressão tanto em grandes quanto em pequenas e médias empresas – ainda que a participação destas seja menos direta, serão impactadas, na qualidade de fornecedores, pelas metas de redução de emissões de escopo 3 de seus clientes maiores.

Para detalhes, entre em contato com nossa Equipe Ambiental.

Amália Botter Fabbri


see all publications