(Português) LexisNexis: mês que antecede eleições registra queda de quase 50% no volume de transações de M&A

28 . September . 2018 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Rodrigo Delboni Teixeira, sócio-diretor do Lobo de Rizzo, comentou no LexisNexis a percepção do escritório sobre o número de transações na área de Societário, Fusões e Aquisições no País. Leia a matéria completa:

Mês que antecede eleições registra queda de quase 50% no volume de transações de M&A

Por Paula Dume

Levantamento da Transactional Track Record (TTR) revela uma baixa importante no número de operações de fusão e aquisição no país no mês que antecede as eleições. O índice, baseado em dados extraídos até 27 de setembro, teve uma queda de 44,78% no mês, comparado ao mesmo período do ano passado. No total, foram 74 transações, sendo 52 de M&A, 16 de venture capital e 6 de private equity. Desse total, 41 já foram concluídas e 33 estão em curso.

Os dados contrastam com o vigor do mercado no primeiro semestre, quando as expectativas em torno da retomada econômica do país acabaram acelerando o andamento de algumas transações, segundo especialistas consultados pelo Lexis 360. Conforme dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) neste mês, de janeiro a junho, foram realizadas 43 operações, que movimentaram R$ 84 bilhões. O valor total é o maior para o período desde 2010. Naquele ano, 75 operações giraram R$ 91,7 bilhões. No entanto, o número de transações registrado na primeira metade do ano é inferior ao dos anos anteriores, ressalta Dimas Megna, coordenador do subcomitê de fusões e aquisições da Anbima.

“Quando a gente olha o número de transações, ele acaba sendo inferior ao dos anos anteriores. Mas, ainda assim, o primeiro semestre foi bastante ativo”, esclarece o executivo. Dentre os principais deals realizados no primeiro semestre, a aquisição da Fibria pela Suzano Papel e Celulose foi o maior dos últimos dez anos, movimentando R$ 47,7 bilhões. Em 2008, a operação entre Itaú e Unibanco movimentou R$ 106,9 bilhões.

Megna reconhece que as incertezas políticas têm moderado o apetite de alguns investidores, que aguardam uma previsibilidade maior do cenário pós-eleições para tomar decisões. Apesar disso, ele acredita que o volume de transações de 2018 deve atingir patamares elevados. “Chegamos a essa conclusão pelo volume que tivemos no primeiro semestre mais as transações subsequentes já anunciadas e que deverão fazer com que o volume deste ano atinja patamares históricos”, disse o coordenador da Anbima. Na opinião dele, o ritmo de operações será retomado tão logo haja uma clareza com relação ao rumo econômico do país.

Rodrigo Delboni, sócio-diretor do Lobo de Rizzo, afirma que o escritório não notou um recuo grande no número de transações neste ano. “Estamos bem ocupados, e eu acho que até mais do que no ano passado. O que mudou foi o perfil das operações. Houve uma recuperação das transações mais prospectivas, que visam o crescimento da economia”, avaliou.

No Trench Rossi Watanabe, Lara Schwartzmann, sócia das áreas de M&A e de mercado de capitais, tem sentido o mercado mais aquecido do lado dos players brasileiros do que dos estrangeiros. A advogada observa ainda que o mercado continua movimentado para os investidores estrangeiros estratégicos que vislumbram investimentos a longo prazo, porque os ativos nacionais estão baratos.

Para os próximos meses, ela acredita que as operações de compra e venda de companhias “que têm fundamento” e com ativos de qualidade continuarão sendo negociadas no curso normal. “Agora, players que estão em dúvida entre realizar ou não uma aquisição ou fusão, vão continuar em dúvida e vão esperar um cenário um pouco mais estável para realizar negócios”, comentou.

Movimentações no Cade

Os setores de energia, saúde e agronegócios concentraram o maior número de operações notificadas e aprovadas sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) no mês de setembro. Dentre as transações que receberam aval da autoridade antitruste, destacam-se as aquisições do controle da Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) e da Companhia de Eletricidade do Acre, ambas distribuidoras da Eletrobras, pela Energisa, e a aquisição do controle das empresas Samed, Hospital Santana e Laboratório Bonelli pela NotreDame Intermédica.

Ainda no segmento de saúde, a Rede D’Or São Luiz e a GGSH Participações notificaram ao órgão antitruste uma operação realizada em 2016. À época, as empresas concretizaram a transação antes de notificá-la à autarquia, o que configura a prática de gun jumping. Com a operação, a Rede D’Or passou a deter 21,3% da GGSH.

O procedimento administrativo de apuração de ato de concentração (Apac) foi homologado em 8 de agosto deste ano durante a 127ª sessão de julgamento da autarquia. Na ocasião, o plenário reconheceu a ocorrência da infração prevista no artigo 88 da Lei nº 12.529/2011 e homologou a proposta do Acordo em Controle de Concentração (ACC), de acordo com o voto de Cristiane Alkmin Schmidt, conselheira relatora do caso. A multa estipulada para a Rede D’Or e a GGSH foi de R$ 700 mil.

Duas operações muito aguardadas no setor de transporte e custódia de valores foram liberadas pela Superintendência-Geral (SG). O órgão antitruste aprovou a compra da brasileira Transfederal Transporte de Valores, que pertence ao presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), pelo grupo espanhol Prosegur. A SG também deu aval para que a Brink’s adquira 100% das ações das empresas Rodoban Segurança e Transporte de Valores Ltda., Rodoban Serviços e Sistemas de Segurança Ltda. e Rodoban Transportes Terrestres e Aéreos Ltda.

IPOs no país e no mundo

Um pelotão considerável de empresas está se preparando para abrir capital assim que o cenário eleitoral for definido. Segundo informações do jornal Valor Econômico, se todas as empresas brasileiras que estão contratando assessores financeiros e jurídicos para coordenarem suas ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) e follow-ons (ofertas subsequentes) concretizarem suas intenções após as eleições, o mercado seria invadido por cerca de 20 ofertas entre o fim deste ano e o próximo. Uma pesquisa com bancos de investimento, escritórios de advocacia e empresas feita pelo jornal apurou que esse número representa um volume de aproximadamente R$ 25 bilhões.

O banco BMG, as empresas de tecnologia e serviços Tivit, Movile e Neoway (que prepara dupla listagem na B3 e Nasdaq), as companhias elétricas Neoenergia, Equatorial Energia e Light, entre outras, são algumas das empresas na lista de IPOs e follow-ons previstos para essa leva. Duas fontes ouvidas pelo Valor também incluíram o grupo de infraestrutura Invepar na lista.

O banco digital Agibank, que estava nesse balaio de ofertas, declarou na terça-feira (25) que apresentou a desistência do pedido de registro de sua oferta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A operação envolvia uma oferta primária e secundária de ações. Na contramão das desistências, a Arco Educação, empresa brasileira de software educacional, estreou com êxito na Nasdaq na quarta-feira (26). O valor de mercado da empresa subiu 34%, ou seja, para US$ 1,18 bilhão.

Se por aqui, há uma projeção de IPOs, do outro lado do mundo, há uma consolidação. Neste ano, as companhias chinesas movimentaram US$ 27,5 bilhões por meio de ofertas em Hong Kong e seguem confiantes para bater o recorde anual anterior, alcançado em 2007, de acordo com informações da Dow Jones Newswires.

A oferta da plataforma chinesa de compras Meituan Dianping é uma das mais recentes grandes operações em solo chinês. A ação da empresa teve um aumento de 5,3% em sua estreia, na semana passada, após a companhia ser avaliada em US$ 51 bilhões e prospectar US$ 4,2 bilhões.

Fonte: LexisNexis


see all publications