(Português) Processos Administrativos Ambientais: novas regras para conversão de multas ambientais e instituição de núcleo de conciliação

2 . May . 2019 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

As regras sobre conversão de multa ambiental em prestação de serviços ambientais, previstas no Decreto nº 6.514/2008, foram alteradas pelo Decreto nº 9.760, de 11 de abril de 2019. O novo Decreto também introduziu a possibilidade de conciliação no âmbito dos processos administrativos ambientais. Resumimos abaixo as principais mudanças.

Conversão de Multas

As multas simples poderão ser convertidas em serviços de preservação, melhoria e recuperação da qualidade do meio ambiente, excetuadas as multas decorrentes de infrações ambientais que tenham provocado mortes humanas. O autuado poderá implantar um projeto próprio ou aderir a algum projeto maior, pré-aprovado, voltado aos serviços ambientais e, caso aprovado, serão concedidos descontos sobre o valor da multa. As alterações trazidas pelo novo Decreto estão em consonância com o que já vinha sendo disciplinado pelo IBAMA, por meio da IN nº 6/2018, que estabeleceu a regulamentação necessária para a aplicação da conversão de multas no âmbito de suas autuações.

Merecem destaque os descontos concedidos a quem requerer a conversão, sendo o valor do desconto decrescente em relação a fase processual:

  • 60%, quando o requerimento for apresentado na Audiência de Conciliação;
  • 50%, quando o requerimento for apresentado até a decisão de 1º instância;
  • 40 %, quando o requerimento for apresentado até a decisão de 2º instância.

Conciliação

O novo Decreto cria o Núcleo de Conciliação Ambiental para estimular o encerramento de processos administrativos com maior celeridade. A competência deste grupo é analisar eventuais autuações ambientais e realizar a audiência de conciliação entre o autuado e representantes da autoridade ambiental competente. Na audiência serão apresentadas as soluções legais que podem encerrar o processo, como, por exemplo, o desconto para pagamento da multa, o parcelamento e a conversão da multa. Caso ocorra a conciliação, será lavrado um termo contendo a solução encontrada e uma declaração de desistência de impugnar judicial e administrativamente a autuação, bem como de encerrar eventuais ações judiciais já propostas. Importante ressaltar que a conciliação celebrada na esfera administrativa não exclui a obrigação de reparar eventual dano ambiental.

Além dos pontos já citados acima, merece destaque o fato de que a nova redação aplica-se não só ao IBAMA, mas a todos os órgãos ambientais estaduais e municipais. No caso específico do Estado de São Paulo, as alterações corroboram a postura da Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente, que desde 2014 vem realizando Atendimentos Ambientais Prévios (conciliatórios) e conversões de multas para assuntos relacionados às questões florestais. Resta à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), agora, incorporar tais mecanismos aos processos afetos a poluição, áreas contaminadas etc., no âmbito de sua competência.

Para mais informações, entre em contato:   

Renata Castanho
renata.castanho@localhost

Amália Botter Fabbri
amalia.botter@localhost

Carina Pereira Cancela
carina.cancela@localhost

Joana Cristina Bernardini
joana.bernardini@localhost


see all publications