(Português) Sócio-gestor da área Trabalhista comenta aspectos da Reforma da Previdência no Valor Econômico

21 . February . 2019 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Fabio Medeiros,  sócio-gestor da área Trabalhista, falou sobre a suposta perda do direito à multa sobre FGTS pelos empregados que se aposentaram em matéria do jornal Valor Econômico. Leia o conteúdo completo:

Advogados apontam falha em proposta

Por Adriana Aguiar | De São Paulo

Apesar do discurso da equipe responsável pela reforma da Previdência, de que as empresas ficariam dispensadas do pagamento da multa de 40% de FGTS ao demitir um funcionário já aposentado, essa previsão não foi localizada por advogados que analisaram todo o teor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 6, de 2019.

A proposta diz que as empresas ficam dispensadas de recolher os 8% de FGTS mensal dos empregados aposentados, no parágrafo 10º, artigo 4º. Esse mesmo dispositivo, porém, apenas menciona, segundo advogados que os 40% de indenização de FGTS não serão pagos no momento da aposentadoria, o que não representa uma alteração, uma vez que a multa só é devida na demissão imotivada.

O artigo na íntegra diz que “o vínculo empregatício mantido no momento da concessão de aposentadoria voluntária não ensejará o pagamento da indenização compensatória prevista no inciso I do caput do artigo 7º da Constituição, nem o depósito do fundo de garantia do tempo de serviço devido a partir da concessão.

Segundo o advogado José Eymard Loguércio, do LBS Advogados, que defende trabalhadores, a alteração ocorre apenas com relação ao FGTS mensal, o que deve ser questionado na Justiça. Mas com relação à multa, se a PEC for aprovada como está, o trabalhador, ao se aposentar, poderá sacar o FGTS depositado ao longo dos anos (como já acontece hoje) e essa multa só será paga se for demitido posteriormente, levando em conta o montante que havia antes da aposentadoria.

O advogado Fabio Medeiros, do Lobo de Rizzo Advogados, que assessora empresas, também tem a mesma interpretação. “O empregado não perderá o direito à multa de FGTS em caso de dispensa, mas ela apenas incidirá sobre os depósitos que existirem, ou seja, aqueles que foram feitos até a data da aposentadoria”.

O advogado previdenciário Caio Alexandre Taniguchi Marques, do Bichara Advogados, afirma ter feito uma leitura completa da PEC e da exposição de motivos e diz não ter encontrado outra previsão que pudesse gerar a interpretação dada pela equipe do governo. Para ele, essa interpretação do governo só seria possível, se conjuntamente com esse artigo 10 da PEC se aplicasse o parágrafo 2º do artigo 453 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Segundo esse dispositivo, a aposentadoria de empregado que não tiver completado 35 anos de serviço, se homem, ou 30, se mulher, importaria em extinção do vínculo empregatício. Mesmo assim, segundo o advogado, esse mesmo artigo está sendo questionado no Supremo Tribunal Federal (STF), na ação direta de inconstitucionalidade (Adin) nº 1721-3.

Outros pontos da nova reforma previdenciária, se aprovada pelo Congresso, porém devem ser questionados judicialmente. O ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, disse não ter dúvida que ela será alvo de questionamentos na Justiça. Segundo o ministro, desde a primeira reforma previdenciária, aprovada no governo Fernando Henrique Cardoso, em 1998, todas as alterações no sistema de aposentadorias foram judicializadas.

A extinção do depósito mensal de FGTS dever ser um dos pontos questionados. Segundo o advogado José Eymard Loguércio, isso contraria expressamente o que diz o inciso III, do artigo 7º da mesma Constituição, que segue inalterado. Esse artigo dispõe ser direito de todo trabalhador, o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Essa alteração, segundo o advogado, tenta trazer à tona uma discussão da época do governo Fernando Henrique, já analisada pelo Supremo, sobre a extinção do contrato de trabalho com a aposentadoria. Ao julgar as ações diretas de inconstitucionalidade (Adins) nº 1770 e nº 1721, os ministros entenderam que a aposentadoria não extingue o contrato de trabalho. Para ele, se o contrato de trabalho tem continuidade, são devidos os depósitos de FGTS como qualquer trabalhador. (Colaborou Isadora Peron, de Brasília)

Fonte: Valor Econômico


see all publications