(Português) Sócio Rodrigo Guerra fala sobre o mercado jurídico em 2015 e as expectativas para 2016

15 . January . 2016 |

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Rodrigo Millar de Castro Guerra, sócio da área Societária, Fusões & Aquisições, participou do especial “Balanço de escritórios 2015”, produzido pelo portal JOTA, no qual sócios dos principais escritórios brasileiros comentam sobre o mercado jurídico em 2015 e as principais expectativas de crescimento para 2016:

Lava Jato e Zelotes indicam que não existem mais atalhos e regras devem ser seguidas por advogados

As operações Zelotes e Lava Jato tiveram papel fundamental no ano de 2015, e suas consequências indicarão ao mercado de advocacia que só há uma regra do jogo e que todos devem “jogar sob essa regra”. Essa é a avaliação do sócio-gerente do escritório Lobo & de Rizzo AdvogadosRodrigo Guerra.

“A Lava Jato e a Zelotes indicam aos mercados que não existem mais atalhos e que advogados parceiros de seus clientes são aqueles que exercem a sua função com responsabilidade e retidão e que buscam as soluções dentro do nosso ordenamento jurídico, em atenção aos princípios que norteiam a advocacia”, aponta.

Além disso, Rodrigo Guerra afirma que o escritório mantém expectativas de crescimento para a área tributária e para o contencioso, principalmente.

“Imaginamos que a legislação tributária possa trazer grandes alterações, no campo do ICMS, PIS e COFINS, além da possível criação de novos tributos”, analisa.

Sobre a paralisação do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, o advogado diz que houve atrasos em soluções de diversos casos. E a preocupação com o tema continua.

“Resta saber se a reformulação imposta pelo Governo trará um Carf melhor e mais eficiente ou se a Zelotes vai simplesmente gerar uma reação contra o contribuinte, invertendo a máxima da presunção da inocência para a presunção da culpa”, questiona.

Confira a íntegra da entrevista:

Quais áreas registraram crescimento e garantiram faturamento em 2015?

As diversas áreas do escritório tiveram o desempenho esperado dadas a crise econômica, mas caberia um destaque para o contencioso, que foi completamente reformulado e teve desempenho além das nossas expectativas em 2015, com vitórias significativas no judiciário e em arbitragens, trazendo ótimos resultados para os nossos clientes. Além do contencioso, podemos destacar uma maior demanda por trabalhos de reestruturação de dívida, tributário e regulatório.

Quais áreas tiveram retração em 2015?

Com a retração do crédito (e, em geral, com as incertezas na área da economia) o setor financeiro sofreu impacto mais relevante do que os demais. A área de mercado de capitais também foi atingida pelo fechamento dos mercados.

Quais as grandes vitórias da banca em 2015?

Entendemos que o mais importante foi continuar ativo e relevante no cenário jurídico. Estamos particularmente felizes com a reestruturação do nosso setor contencioso e com o fato de a nossa prática de M&A ter se mostrado forte e resiliente mesmo durante essa fase aguda da crise.

E quais as derrotas mais sentidas?

Não temos nada em particular a ressaltar.

Qual a maior frustração de 2015?

A maior frustração de 2015 é a mesma da grande maioria dos brasileiros. Não temos frustrações pontuais com relação ao escritório ou sua atuação.

O que esperavam que aconteceria este ano que na prática não se concretizou?

Esperávamos um ano difícil, mas apontando para um cenário positivo em 2016, com a retomada de investimentos importantes de infra estrutura, por exemplo. Aparentemente as incertezas continuarão pairando sobre os mercados, o que deve fazer 2016 muito parecido com o que foi 2015.

A paralisação do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) durante praticamente todo o ano afetou o escritório?

É claro que a paralisação do CARF atrasou a solução de diversos casos. Resta saber se a reformulação imposta pelo Governo trará um CARF melhor e mais eficiente ou se a Zelotes vai simplesmente gerar uma reação contra o contribuinte, invertendo a máxima da presunção da inocência para a presunção da culpa. De toda forma, aproveitamos bem esse tempo para reorganizar nossos processos internos, o que deve otimizar a utilização de nossos recursos em 2016, melhorando o nosso tempo de reação e a comunicação com os nossos clientes a respeito de nossos casos administrativos tributários.

O escritório aposta em quais áreas para crescer em 2016?

Mantemos nossa expectativa de crescimento para a área tributária e para o contencioso. Esperamos, também, um ano um pouco mais movimentado em M&A.

Quais as perspectivas para o mercado de advocacia para 2016 em um contexto de tanta instabilidade política e econômica?

Naturalmente, a perspectiva hoje é de continuação do momento de crise. Para os escritórios full service a crise traz mais dificuldades do que oportunidades. Embora a falta de crédito e a recessão impulsionem algumas áreas do direito o prejuízo é igualmente significativo, ou maior, para as áreas que são demandadas em momentos de estabilidade e de investimento intensivo. Independentemente do momento sabemos que a economia funciona em ciclos e entendemos importante, a par das dificuldades, mostrar para nossos clientes que continuamos aptos a atendê-los em suas mais diversas demandas legais, sejam elas decorrentes da crise ou não.

A atuação da Justiça em relação a companhias, como visto na Lava Jato e na Zelotes, abre espaço para um trabalho diferenciado de advogado?

Sim. A Lava Jato e a Zelotes indicam aos mercados que não existem mais atalhos e que advogados parceiros de seus clientes são aqueles que exercem a sua função com responsabilidade e retidão e que buscam as soluções dentro do nosso ordenamento jurídico, em atenção aos princípios que norteiam a advocacia. Deve diminuir consideravelmente o espaço para aqueles que atuam em outras bases. A Lava Jato e a Zelotes vão valorizar a advocacia exercida de forma digna e correta e indicar ao nosso mercado que só há uma regra do jogo e que todos devem jogar sob essa regra.

Quais as perspectivas do escritório sobre o Judiciário em 2016?

A expectativa é que as boas notícias desse País continuem a vir do Judiciário. Mais especificamente, esperamos que o aumento pela procura de estruturas alternativas de resolução de conflitos possa deixar o Judiciário cada vez mais livre para, de maneira ágil e especializada, resolver as demandas levadas até ele.

Se 2015 foi o ano da lei anticorrupção, que lei será destaque no ano que vem?

Na área legislativa, imaginamos que a legislação tributária possa trazer grandes alterações, no campo do ICMS, PIS e COFINS, além da possível criação de novos tributos.

Raio X do escritório

Número de sócios: 17

Número de advogados: 80 aprox.


see all publications